Parlamentarismo e Presidencialismo → Diferenças, vantagens e desvantagens

alterar esquema de cores outlook

Existem países pelo mundo com as mais variantes formas de governo, mas duas delas se destacam por representarem a maioria das representações: Parlamentarismo e Presidencialismo. E hoje abordaremos quais as diferenças entre parlamentarismo e presidencialismo e as vantagens e desvantagens de cada um desses sistemas.

Esse tema é comumente discutido em sociologia, geografia e história. Causa muitas dúvidas em algumas mentes e vamos nesse texto resumo dar os conceitos básicos de cada um deles. Vamos lá:diferença entre presidencialismo e parlamentarismo

Diferença entre Parlamentarismo e Presidencialismo 

No presidencialismo o presidente do país é eleito pelo voto direto e o mesmo possui muitos poderes com o de impedir ações do Executivo. Todas as decisões importantes passam por ele, devendo fiscalizar e analisar as ações do Executivo para tomar decisões. Aqui ele é um indivíduo muito importante e poderoso pois é eleito pelo voto popular, o que legitima suas decisões. Alguns exemplos desse sistema de governo são: Argentina, Brasil, Estados Unidos, Chile, Colômbia, México e Uruguai.

No parlamentarismo, por outro lado, o governo é parlamentarista. Ou seja, o principal representante do país não é eleito pelo voto direto. Isso faz com que o chefe do executivo perca poder, sendo que pode, muitas vezes, ser demitido por contrariar a opinião do mesmo. Ou seja, o poder do primeiro ministro(nome dado ao candidato escolhido para ser o principal chefe do executivo) é limitado e condicionado pelo executivo. Exemplos de países que adotam esse sistema de governo são: Reino Unido, Suécia, Japão, Botsuana, África do Sul e Suriname

Presidencialismo e Parlamentarismo Vantagens e Desvantagens

O presidencialismo possui como vantagens:

  • presidente eleito pelo voto direto;
  • legitimidade democrática do presidente;
  • maior poder ao mesmo;
  • o mesmo não fica refém do executivo.

E como desvantagens:

  • muito poder em cima de uma pessoa;
  • o mesmo pode fazer coisas ruins sem sofrer penas;
  • possui poder de atrapalhar as ações do executivo de acordo com sua ideologia;
  • pode escolher pessoas incapacitadas para compor o governo;
  • há muito jogo político e, consequentemente, aumento no pagamento de propinas.

O parlamentarismo possui como vantagens:

  • o primeiro ministro pode ser demitido pelo executivo se não agradar;
  • poder reduzido, logo as chances de fazer coisas erradas diminuem;
  • responde ao executivo em primeiro momento, o que ajuda a tomar decisões;
  • possui por trás muitas pessoas envolvidas nas tomadas de decisão.

E como desvantagens:

  • não é eleito pelo voto direto popular;
  • não possui legitimidade democrática do presidente;
  • possui pouco poder e pode ser facilmente substituído se não agradar;
  • a capacidade de escolher aliados de confiança para o governo é reduzida.

E aí, deu pra entender a diferença entre presidencialismo e parlamentarismo? Deixe um comentário com dúvidas, sugestões ou correções que devam ser feitas no artigo para que ajudemos um número maior de pessoas.

O que é Capitalismo e Qual Sua Principal Oposição

13

Nesse artigo vamos falar um pouco sobre o que é capitalismo e qual a sua principal oposição. Claro que nem tudo é tão complicado assim, acredito eu que todos já saibam, mas essa é uma visão pessoal sobre o tema e pode ajudar a refletir mais sobre o mesmo.

Existem várias formas de gerenciar os bens e os meios de produção, cada qual delas possui suas características. Mas diferenciaremos um pouco mais abaixo algumas delas. Veja:O que é capitalismo socialismo marxismo principal oposição

O que é Capitalismo?

O termo, segundo a visão marxista, é definido como o acúmulo de capital. Até aí tudo bem, não fosse o fato de Marx considerar isso como algo ruim pois algumas pessoas não possuem a capacidade de acumular dinheiro e acabam sendo reféns do mesmo para poder sobreviver. Claro que isso é um pouco controverso, mas se há algo que devemos ter é a liberdade de acumular riqueza e de livre associação.

Capitalismo é o sistema econômico que prega a capacidade de livre associação e livre troca entre os indivíduos, qualquer coisa diferente disso é desvirtuar o termo.

Pessoas devem ter a liberdade de associação e de comprarem o que quiser de quem quiser, é disso que se trata o capitalismo. Ao contrário do que Marx pregava, o capitalismo é uma ferramenta de liberdade do indivíduo e não de opressão do mesmo.

Devido à essa conotação pessimista dado pelos marxistas, muitos autores modernos tem trocado o termo por “livre associação”, “livre mercado” ou “trocas voluntárias” para que não carregue o tom pesado e errado que somos doutrinados a acreditar nas escolas do MEC.

Ou seja, trata-se de um tema relacionado à economia e não aos termos tirania e crueldade.

Qual sua principal oposição?

A principal oposição ao capitalismo é feita pelo socialismo. Nesse sistema opositor o governo interfere no livre mercado a atrapalha as trocas voluntárias entre os indivíduos. Muitos das vezes é gerado o chamado corporativismo, onde certas empresas possuem ligação com o estado e conseguem o monopólio não natural em uma área dentro do país. No Brasil temos vários exemplos de empresas que são favorecidas pelo governo e, muitas delas, estão sendo descobertas na Operação Lava Jato.

O socialismo prioriza o coletivo, sendo que a propriedade privada deve exercer sua função social. É outro termo utilizado por: “Você trabalhou e se deu bem na vida? Então tá, vamos roubar parte dos seus bens e se você se recusar poderá ser preso ou até morto.” Claro que os românticos não veem dessa forma, mas é isso que está implícito nessa colocação.

O marxismo já seria uma versão evoluída, onde o povo seria o próprio governo, não poderiam estar mais enganados quando a utopia desse plano. Qual seria a forma de resolução de conflitos? A democracia direta, também conhecida como “vontade da maioria”. Se a maioria decidir que João deve morrer por não querer compartilhar seu dinheiro isso se torna ético. Como uma pessoa em sã consciência pode achar esse sistema bom?

Mescla entre os dois sistemas

Todas as formas de governo são uma mescla entre esses dois sistemas, exceto em algumas ditaduras marxistas como a Coreia do Norte e Cuba. Pois nas mesmas o governo pode decidir de uma hora pra outra o que cada um deve fazer e o que deve comer, o que quer dizer que, basicamente, a pessoa não possui nenhuma liberdade de troca.

No Brasil é bem o caso de estarmos no meio do percurso, existe certo controle estatal embora seja possível escolher algumas coisas que consumimos. Mas certas coisas somos proibidos de comprar como, por exemplo, um tanque de guerra ou drogas como maconha.

Claro que somos pacíficos e contra o uso de drogas, mas é uma idiotice querer impedir o comércio dessas coisas.

Espero que após esse texto tenha entendido nossa visão sobre o que é capitalismo e o socialismo, sua principal oposição. Deixe-nos um comentário dizendo sua versão sobre o que é Capitalismo para que possamos aprender um pouco mais e ajudar um número maior de pessoas.

Capitalismo x Socialismo: comparação e diferenças

O capitalismo e o socialismo se opõem quanto às escolas de pensamento em economia. Os argumentos centrais no debate capitalismo x socialismo são sobre igualdade econômica e o papel do governo.

Os socialistas acreditam que a desigualdade econômica é ruim para a sociedade, e o governo é responsável por reduzi-la através de programas que beneficiam os pobres. Por outro lado, os capitalistas acreditam que o governo não usa recursos econômicos tão eficientemente quanto as empresas privadas, e, portanto, a sociedade está melhor com o mercado livre, que determina os vencedores econômicos e perdedores.

O EUA é amplamente considerado o bastião do capitalismo, e grandes partes da Escandinávia e da Europa Ocidental são consideradas democracias socialistas. No entanto, a verdade é que todo país desenvolvido tem alguns programas que são socialistas.

Uma forma extrema de socialismo é o comunismo.

Para mais artigos sobre Educação, clique aqui.

Comparação entre capitalismo e socialismo

Para entender a diferença entre capitalismo e socialismo e compara-los, analisaremos os seguintes tópicos:

Capitalismo x Socialismo: Filosofia

No capitalismo, o capital (ou os “meios de produção”) é de propriedade, operado e negociado para gerar lucros para proprietários ou acionistas privados. Ênfase no lucro individual e não nos trabalhadores ou na sociedade como um todo. Nenhuma há restrição sobre quem pode possuir capital.

No socialismo, o capital tem ênfase no lucro sendo distribuído entre a sociedade ou força de trabalho para complementar salários individuais.

Capitalismo x Socialismo: Ideias

Capitalismo: ‘Laissez-faire’, que significa “deixar ser”. Opõe-se à intervenção do governo na economia, porque acreditam que ele introduz ineficiências. Um mercado livre produz o melhor resultado econômico para a sociedade.

Socialismo: Todos os indivíduos devem ter acesso a artigos básicos de consumo e bens públicos para permitir a auto-atualização. As indústrias em larga escala são esforços coletivos e, portanto, os retornos dessas indústrias devem beneficiar a sociedade como um todo.

Capitalismo x Socialismo: Definição

Capitalismo: Uma teoria ou sistema de organização social baseado em um mercado livre e privatização em que a propriedade é atribuída às pessoas individuais. Também é permitida a co-propriedade voluntária.

Socialismo: Teoria ou sistema de organização social baseado na exploração da maioria dos bens em comum, com propriedade real atribuída aos trabalhadores.

Capitalismo x Socialismo: Elementos chaves

Capitalismo:

  • A concorrência pela propriedade do capital impulsiona a atividade econômica e cria um sistema de preços que determina a alocação de recursos;
  • Os lucros são reinvestidos na economia;
  • Produção com fins lucrativos.

Socialismo:

  • Cálculo em espécie;
  • Propriedade coletiva;
  • Propriedade comum cooperativa;
  • Democracia econômica;
  • Planejamento econômico;
  • Igualdade de oportunidades;
  • Associação livre;
  • Democracia industrial;
  • Modelo de entrada-saída;
  • Internacionalismo;
  • Voucher de trabalho;
  • Equilíbrio de materiais.

Capitalismo x Socialismo: Sistema Político

Capitalismo: Pode coexistir com uma variedade de sistemas políticos, incluindo ditadura, república democrática, anarquismo e democracia direta. A maioria dos capitalistas defende uma república democrática.

Socialismo: Pode coexistir com diferentes sistemas políticos. A maioria dos socialistas defende a democracia participativa, alguns (social-democratas) defendem a democracia parlamentar e os marxistas-leninistas defendem o “centralismo democrático”.

Capitalismo x Socialismo: Sistema Econômico

Capitalismo: Economia baseada no mercado, combinada com propriedade privada ou corporativa dos meios de produção. Os bens e serviços são produzidos para lucrar e esse lucro é reinvestido na economia para alimentar o crescimento econômico.

Socialismo: Os meios de produção são propriedade de empresas públicas ou cooperativas, e os indivíduos são compensados com base no princípio da contribuição individual. A produção pode ser coordenada através de um planejamento econômico ou de mercados.

Capitalismo x Socialismo: Estrutura Social

Capitalismo: As classes existem de acordo com sua relação com o capital. Onde os capitalistas possuem partes dos meios de produção e derivam seus rendimentos dessa forma, enquanto a classe trabalhadora depende de salários. Grande grau de mobilidade entre as classes.

Socialismo: As distinções de classe são reduzidas. O status deriva mais de distinções políticas do que distinções de classe.

Capitalismo x Socialismo: Propriedade Privada

Capitalismo: Juntamente outros bens, é a forma dominante de propriedade. A propriedade pública e a propriedade do Estado desempenham um papel secundário, e também pode haver alguma propriedade coletiva na economia.

Socialismo: Dois tipos de propriedade: propriedade pessoal (casas, roupas, etc.) e propriedade pública, que inclui fábricas e meios de produção de propriedade do Estado, mas com controle de trabalhadores.

Capitalismo x Socialismo: Livre Escolha

Capitalismo: Todos os indivíduos tomam decisões por si mesmos. A liberdade de escolha permite aos consumidores impulsionar a economia.

Socialismo: A religião, o emprego e o casamento são por conta do indivíduo. A educação é compulsória. Livre acesso igualitário a cuidados de saúde e educação, através de um sistema socializado financiado pela tributação. Decisões de produção são tomadas pelo Estado e não pela demanda do consumidor.

Capitalismo x Socialismo: Organização econômica

Capitalismo: Depende principalmente dos mercados para determinar as decisões de investimento, produção e distribuição. Os mercados podem ser mercados livres, mercados regulamentados, ou podem ser combinados com um grau de planejamento direcionado pelo estado dentro de empresas privadas.

Socialismo: Depende principalmente do planejamento para determinar decisões de investimento e produção. O planejamento pode ser centralizado ou descentralizado. O mercado-socialismo depende dos mercados de alocação de capital para diferentes empresas de propriedade social.

Capitalismo x Socialismo: Estrutura da Propriedade

Capitalismo: Os meios de produção são de propriedade privada e operam para um lucro privado. Incentivos para que os produtores se envolvam em atividades econômicas. As empresas podem ser de propriedade de indivíduos, cooperativas de trabalhadores ou acionistas.

Socialismo: Os meios de produção são de propriedade social com a mais-valia produzida para toda a sociedade ou para todos os funcionários-membros da empresa (em modelos de propriedade cooperativa).

Capitalismo x Socialismo: Discriminação

Capitalismo: O governo não discrimina com base em raça, cor ou outra classificação arbitrária. O governo tem políticas que, intencionalmente ou não, favorecem a classe capitalista sobre os trabalhadores.

Socialismo: As pessoas são consideradas iguais. Leis são feitas, quando necessário, para proteger as pessoas contra discriminação. A imigração é fortemente controlada.

Capitalismo x Socialismo: Visão de guerra

Capitalismo: A guerra, embora boa para indústrias seletas, é ruim para a economia como um todo.

Socialismo: As opiniões variam de prowar (Charles Edward Russell, Allan L. Benson) a anti-guerra (Eugene V. Debs, Norman Thomas). Os socialistas tendem a concordar com os keynesianos que a guerra é boa para a economia estimulando a produção.

Capitalismo x Socialismo: Mudança

Capitalismo: Mudança rápida no sistema. Em teoria, a demanda do consumidor é o que impulsiona as escolhas de produção. O governo pode alterar as regras de conduta e / ou práticas comerciais através de regulação ou facilidade de regulamentação.

Socialismo: Os trabalhadores são o agente nominal da mudança. A mudança pelo Estado em nome dos trabalhadores pode ser rápida ou lenta, dependendo da mudança de ideologia.

Capitalismo x Socialismo: Meios de Controle

Capitalismo: Promove uma “sociedade de contrato” ao invés de uma “sociedade de status”. As decisões de produção são impulsionadas pela demanda do consumidor e a alocação de recursos é impulsionada por um sistema de preços decorrente da concorrência com fins lucrativos.

Socialismo: Uso de um governo.

Capitalismo x Socialismo: Visão do Mundo

Capitalismo: Os capitalistas vêem as sociedades capitalistas e baseadas no mercado como faróis da liberdade, orgulhando-se de permitir as liberdades sociais e econômicas não experimentadas no âmbito do comunismo e do fascismo. O foco é o individualismo em oposição ao nacionalismo.

Socialismo: Movimento do trabalhador e da classe média, tudo por um objetivo democrático comum.

O que você achou desse artigo? Se gostou dessas informação sobre capitalismo x socialismo, compartilhe com seus amigos e nos deixe uma avaliação!
E para mais novidades não deixe de nos seguir nas redes sociais!

10 Frases de Martin Luther King para refletir

5

Ele foi um grande ícone da luta pelos Diretos Humanos dos Negros. Pastor e Ativista político nos Estados Unidos, Martin Luther King é um dos ícones de luta contra a igualdade social. Por isso decidimos criar esse artigo com 10 Frases de Martin Luther King para refletir.

Com o nome de “Martin Luther King Jr.”, ele nasceu em Atlanta em 15 de janeiro de 1929 e morreu em Menphis em 30 de abril de 1968. Tornou-se um dos ícones mais importantes na luta pelos direitos civis dos negros no mundo, servindo de inspiração para muitos movimentos sociais.

Em 14 de outubro de 1964 ele ganhou o Prêmio Nobel da Paz pelo combate à desigualdade racial através de meios pacíficos.

Era bem articulado e conseguiu melhorar muitas coisas socialmente, sendo um dos maiores ícones da luta contra o preconceito racial.

Veja abaixo nossa coleção de frases proferidas por esse ícone:Melhores 10 Frases de Martin Luther King para refletir

10 Frases de Martin Luther King para refletir

“O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons.”

“Se um homem não descobriu nada pelo qual morreria, não está pronto para viver.”

“Suba o primeiro degrau com fé. Não é necessário que você veja toda a escada. Apenas dê o primeiro passo.”

“A verdadeira medida de um homem não se vê na forma como se comporta em momentos de conforto e conveniência, mas em como se mantém em tempos de controvérsia e desafio.”

“Aprendemos a voar como os pássaros e a nadar como os peixes, mas não aprendemos a conviver como irmãos.”

“Se não puder voar, corra. Se não puder correr, ande. Se não puder andar, rasteje, mas continue em frente de qualquer jeito.”

“Se alguém varre as ruas para viver, deve varrê-las como Michelângelo pintava, como Beethoven compunha, como Shakespeare escrevia.”

“Uma das coisas importantes da não violência é que não busca destruir a pessoa, mas transformá-la.”

“Mesmo se eu soubesse que amanhã o mundo se partiria em pedaços, eu ainda plantaria a minha macieira.”

“Pouca coisa é necessária para transformar inteiramente uma vida: amor no coração e sorriso nos lábios.”

Vídeo motivacional de Martin Luther King Jr.

Ter poder com as palavras, era isso que Martin Luther King Jr. ficou famoso e ganhou o Nobel da Paz.

Com ensinamentos de Gandhi, ele prega a mudança de paradigmas através da não violência. Fez com que os negros tivessem lugar na maior potência mundial.

Veja o vídeo abaixo:

Conclusão sobre as 10 Frases de Martin Luther King para refletir

Uma das personalidades mais inspiradoras do mundo, Martin Luther King Jr. mudou o mundo através do seu ativismo político e da prática da não violência.

Ironicamente o mesmo morreu assassinado por um extremista.

Mas, ainda assim, só nos resta aprender com sua história de vida e as frases contidas nesse artigo pode nos fazer refletir sobre várias coisas da vida.

E você? O que achou sobre as 10 Frases de Martin Luther King para refletir? Deixe um comentário sobre as mesmas ou caso tenha ficado alguma de fora que deveria aqui estar.

Declaração Universal dos Direitos Humanos

A Declaração Universal dos Direitos Humanos veio para defender os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos, sem distinção de cor, raça, etnia, sexo, país de origem ou qualquer outra distinção que possa-se ter.

O conceito também diz respeito à liberdade de pensamento, expressão e igualdade perante a lei.

Um dos principais defensores dos direitos humanos foi o Martin Luther King, que lutou contra a segregação racial quando ela era muito mais forte nos Estados Unidos da América.

Além disso, visa o combate ao preconceito racial e  a qualquer outro fator que discrimine um grupo de pessoas.

Veja abaixo o texto da mesma:Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Adotada e proclamada pela Assembléia Geral na sua Resolução 217A (III) de 10 de Dezembro de 1948

Preâmbulo

  • Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e  inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo;
  • Considerando que o desconhecimento e o desprezo dos direitos do homem conduziram a atos de barbárie que revoltam a consciência da Humanidade e que o advento de um mundo em que os seres humanos sejam livres de falar e de crer, libertos do terror e da miséria, foi proclamado como a mais alta inspiração do homem;
  • Considerando que é essencial a proteção dos direitos do homem através de um regime de direito, para que o homem não seja compelido, em supremo recurso, à revolta contra a tirania e a opressão;
  • Considerando que é essencial encorajar o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações;
  • Considerando que, na Carta, os povos das Nações Unidas proclamam, de novo, a sua fé nos direitos fundamentais do homem, na dignidade e no valor da pessoa humana, na igualdade de direitos dos homens e das mulheres e se declararam resolvidos a favorecer o progresso social e a instaurar melhores condições de vida dentro de uma liberdade mais ampla;
  • Considerando que os Estados membros se comprometeram a promover, em cooperação com a Organização das Nações Unidas, o Respeito universal e efetivo dos direitos do homem e das liberdades fundamentais;
  • Considerando que uma concepção comum destes direitos e liberdades é da mais alta importância para dar plena satisfação a tal compromisso:

A Assembléia Geral

Proclama a presente Declaração Universal dos Direitos do Homem como ideal comum a atingir por todos os povos e todas as nações, a fim  de que todos os indivíduos e todos os órgãos da sociedade, tendo-a constantemente no espírito, se esforcem,  pelo ensino e pela educação, por desenvolver o respeito desses direitos e liberdades e por promover, por medidas progressivas de ordem nacional e internacional, o seu reconhecimento e a sua  aplicação universais e efetivos tanto entre as populações dos próprios Estados membros como entre as dos territórios colocados sob a sua jurisdição.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos:

ARTIGO 1.º

  • Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.

ARTIGO 2.º

  • Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, de cor, de sexo, de língua, de religião, de opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação. Além disso, não será feita nenhuma distinção fundada no estatuto político, jurídico ou internacional do país ou do território da naturalidade da pessoa, seja esse país ou território independente, sob tutela, autônomo ou sujeito a alguma limitação de soberania.

ARTIGO 3.º

  • Todo o indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

ARTIGO 4.º

  • Ninguém será mantido em escravatura ou em servidão; a escravatura e o trato dos escravos, sob todas as formas, são proibidos.

ARTIGO 5.º

  • Ninguém será submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes.

ARTIGO 6.º

  • Todos os indivíduos têm direito ao reconhecimento em todos os lugares da sua personalidade jurídica.

ARTIGO 7.º

  • Todos são iguais perante a lei e, sem distinção, têm direito a igual protecção da lei. Todos têm direito a proteção igual contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.

ARTIGO 8.º

  • Toda a pessoa tem direito a recurso efetivo para as jurisdições nacionais competentes contra os atos que violem os direitos fundamentais reconhecidos pela Constituição ou pela lei.

ARTIGO 9.º

  • Ninguém pode ser arbitrariamente preso, detido ou exilado.

ARTIGO 10.º

  • Toda a pessoa tem direito, em plena igualdade, a que a sua causa seja equitativa e publicamente julgada por um tribunal independente e imparcial que decida dos seus direitos e obrigações ou das razões de qualquer acusação em matéria penal que contra ela seja deduzida.

ARTIGO 11.º

  • Toda a pessoa acusada de um ato delituoso presume-se inocente até que a sua culpabilidade fique legalmente provada no decurso de um processo público em que todas as garantias necessárias de defesa lhe sejam asseguradas.
  • Ninguém será condenado por ações ou omissões que, no momento da sua prática, não constituíam ato delituoso à face do direito interno ou internacional. Do mesmo modo, não será infligida pena mais grave do que a que era aplicável no momento em que o ato delituoso foi cometido.

ARTIGO 12.º

  • Ninguém sofrerá intromissões arbitrárias na sua vida privada, na sua família, no seu domicílio ou na sua correspondência, nem ataques à sua honra e reputação. Contra tais intromissões ou ataques toda a pessoa tem direito a proteção da lei.

ARTIGO 13.º

  • Toda a pessoa tem o direito de livremente circular e escolher a sua residência no interior de um Estado.
  • Toda a pessoa tem o direito de abandonar o país em que se encontra, incluindo o seu, e o direito de regressar ao seu país.

ARTIGO 14.º

  • Toda a pessoa sujeita a perseguição tem o direito de procurar e de beneficiar de asilo em outros países.
  • Este direito não pode, porém, ser invocado no caso de processo realmente existente por crime de direito comum ou por atividades contrárias aos fins e aos princípios das Nações Unidas.

ARTIGO 15.º

  • Todo o indivíduo tem direito a ter uma nacionalidade.
  • Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua nacionalidade nem do direito de mudar de nacionalidade.

ARTIGO 16.º

  • A partir da idade núbil, o homem e a mulher têm o direito de casar e de constituir família, sem restrição alguma de raça, nacionalidade ou religião. Durante o casamento e na altura da sua dissolução, ambos têm direitos iguais.
  • O casamento não pode ser celebrado sem o livre e pleno consentimento dos futuros esposos.
  • A família é o elemento natural e fundamental da sociedade e tem direito à proteção desta e do Estado.

ARTIGO 17.º

  • Toda a pessoa, individual ou colectivamente, tem direito à propriedade.
  • Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua propriedade.

ARTIGO 18.º

  • Toda a pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos.

ARTIGO 19.º

  • Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e ideias por qualquer meio de expressão.

ARTIGO 20.º

  • Toda a pessoa tem direito à liberdade de reunião e de associação pacíficas.
  • Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação.

ARTIGO 21.º

  • Toda a pessoa tem o direito de tomar parte na direção dos negócios públicos do seu país, quer diretamente, quer por intermédio de representantes livremente escolhidos.
  • Toda a pessoa tem direito de acesso, em condições de igualdade, às funções públicos do seu país.
  • A vontade do povo é o fundamento da autoridade dos poderes públicos; e deve exprimir-se através de eleições honestas a realizar periodicamente por sufrágio universal e igual, com voto secreto ou segundo processo equivalente que salvaguarde a liberdade de voto.

ARTIGO 22.º

  • Toda a pessoa, como membro da sociedade, tem direito à segurança social; e pode legitimamente exigir a satisfação dos direitos econômicos, sociais e culturais indispensáveis, graças ao esforço nacional e à cooperação internacional, de harmonia com a organização e os recursos de cada país.

ARTIGO 23.º

  • Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção contra o desemprego.
  • Todos têm direito, sem discriminação alguma, a salário igual por trabalho igual.
  • Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, que lhe permita e à sua família uma existência conforme com a dignidade humana, e completada, se possível, por todos os outros meios de proteção social.
  • Toda a pessoa tem o direito de fundar com outras pessoas sindicatos e de se filiar em sindicatos para a defesa dos seus interesses.

ARTIGO 24.º

  • Toda a pessoa tem direito ao repouso e aos lazeres e, especialmente, a uma limitação razoável da duração do trabalho e a férias periódicas pagas.

ARTIGO 25.º

  • Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar,
    principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços  sociais necessários, e tem direito à segurança no desemprego,  na doença, na invalidez, na viuvez, na velhice ou noutros casos de  perda de meios de subsistência por circunstâncias independentes da sua vontade.
  • A maternidade e a infância têm direito a ajuda e a assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimônio, gozam da mesma proteção social.

ARTIGO 26.º

  • Toda a pessoa tem direito à educação. A educação deve ser gratuita, pelo menos a correspondente ao ensino elementar fundamental. O ensino elementar é obrigatório. O ensino técnico e profissional deve ser generalizado;  acesso aos estudos superiores deve estar aberto a todos em plena igualdade, em função do seu mérito.
  • A educação deve visar à plena expansão da personalidade humana e ao reforço dos direitos do homem e das liberdades fundamentais e deve favorecer a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desenvolvimento das atividades das Nações Unidas para a manutenção da paz.
  • Aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o gênero de educação a dar aos filhos.

ARTIGO 27.º

  • Toda a pessoa tem o direito de tomar parte livremente na vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar no progresso científico e nos benefícios que deste resultam.
  • Todos têm direito à proteção dos interesses morais e materiais ligados a qualquer produção científica, literária ou artística da sua autoria.

ARTIGO 28.º

  • Toda a pessoa tem direito a que reine, no plano social e no plano internacional, uma ordem capaz de tornar plenamente efetivos os direitos e as liberdades enunciados na presente Declaração.

ARTIGO 29.º

  • O indivíduo tem deveres para com a comunidade, fora da qual não é possível o livre e pleno desenvolvimento da sua personalidade.
  • No exercício destes direitos e no gozo destas liberdades ninguém está sujeito senão às limitações estabelecidas pela lei com vista exclusivamente a promover o reconhecimento e o respeito dos direitos e liberdades dos outros e a fim de satisfazer as justas exigências da moral, da ordem pública e do bem-estar numa sociedade democrática.
  • Em caso algum estes direitos e liberdades poderão ser exercidos contrariamente aos fins e aos princípios
    das Nações Unidas.

ARTIGO 30.º

  • Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada de maneira a envolver para qualquer Estado, agrupamento ou indivíduo o direito de se entregar a alguma atividade ou de praticar algum ato destinado a destruir  os direitos e liberdades aqui enunciados.

Os Direitos Humanos e a Cidadania

As pessoas devem ser cidadãs e lutar pelos seus direitos, além de cumprirem seus deveres.

Exercer a cidadania é ter a consciência dos seus direitos e deveres e correr atrás para que os mesmos sejam colocados em práticas e respeitados.

Para ter cidadania as pessoas de uma sociedade devem usufruir dos Direitos Humanos, ou seja, as pessoas precisam ser livres e ter liberdade de expressão e de pensamento.

Claro que em muitos países, como em ditaduras comunistas, isso não ocorre. Mas, mesmo assim, é importante ter em mente que esse é um conceito universal e passível de punições diplomáticas quando não respeitados.

Quais são os Direitos Humanos?

Nos artigos da Declaração Universal é possível se ter ideia de quais são os Direitos Humanos:

  • Liberdade;
  • Igualdade perante a lei;
  • Fraternidade;
  • Direito à vida, liberdade e segurança pessoal;
  • Ninguém será submetido a tratamentos ou penas cruéis;
  • Liberdade de pensamento e de expressão;
  • Liberdade de deslocamento;
  • Liberdade de livre associação.

Os acima são os principais pois os outros tendem a derivar dos mesmos.

Direitos Humanos x Punições de Criminosos

Muitas pessoas questionam a relação entre os Direitos Humanos e a punição de criminosos.

Salvo em casos de guerra, a pessoa que cometeu um crime deve ser tratado com dignidade, ou seja, ser tratado como um ser humano.

Muitos acham que a punição de uma pessoa que cometeu um crime grave, como estupro e assassinato, não deve se enquadrar nos Direitos Humanos, ou seja, o criminoso não deve ser tratado com dignidade. Essa visão é bem controversa pois, por um lado, uma pessoa pode ser realmente cruel e, por outro lado, pode ter havido um mal entendido e a pessoa sofrer as consequências sem ter culpa.

Mas é difícil discutir esse tipo de coisa pois é bem controverso. Na dúvida é melhor os Direitos Humanos valerem para todos que punir injustamente uma pessoa que possa não ter relação com um crime.

Essa redação foi só um resumo do que o tema trata, podendo ser ditas muitas outras coisas sobre isso.

Fonte: Página oficial da entidade.

Conclusão sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos

Todas as pessoas devem ter direito aos Direitos Humanos, afinal todas as pessoas devem ser livres, ter liberdade de expressão e de pensamento, ter dignidade, ser tratada igualmente independente de características físicas, religiosas e ideológicas, e ter direito à vida e à segurança pessoal.

As pessoas merecem respeito independente da cor, raça ou orientação sexual, para isso a Declaração existe, para que todos os seres humanos tenham os mesmos direitos e sejam iguais perante a lei.

O que achou da Declaração Universal dos Direitos Humanos? Deixe um comentário com dúvidas, sugestões ou algo que queira acrescentar a respeito do tema para que possa ajudar um número maior de pessoas.

Preconceito Racial → O que é e como funciona no Brasil

4

O Preconceito Racial é uma falha comportamental que afeta muitas pessoas, embora não seja amplamente divulgado. Tendemos a separar pessoas por grupos e potencializar suas falhas ou qualidades e achar que é válido para todos os indivíduos de um determinado grupo. Isso é um efeito evolutivo e natural, mas precisamos quebrar esse paradigma para vivermos melhor em sociedade.

Muitas vezes isso é mascarado e escondido de nossas vidas, até mesmo pelo Governo Federal que possui em sua logo a inscrição “Brasil, um país de todos”. Bom, essa inscrição é falaciosa pois existem vários preconceitos, discriminação e várias coisas que afetam populações como negros, indígenas, asiáticos e outros grupos étnicos.O que é Preconceito Racial no Brasil

O que é o Preconceito Racial?

Também conhecido como racismo, o Preconceito Racial tem como base a discriminação de pessoas por causa do seu tom de pele ou de características comuns de uma etnia.

Por fatores históricos e culturais, os racistas acreditam que um determinado grupo de pessoas é inferior a outro.

Por exemplo:

  • Achar que negros são inferiores a brancos;
  • Achar que asiáticos são inferiores a europeus;
  • Alemães acharem que os judeus são inferiores(fator do passado que causou o holocausto);
  • Achar que asiáticos são inferiores aos norte-americanos.

O problema é que isso afeta a vida das pessoas como a preferência em dar empregos a pessoas brancas, a tendência das pessoas a se relacionar com pessoas brancas e segregar as negras, a preferência em ter pessoas brancas por perto a ter pessoas negras e outras coisas do tipo.

Em alguns casos vê-se homens ou mulheres negros com parceiros brancos e alguns pensam: “Como esse negro(a) conseguiu conquistar esse(a) parceiro(a)?”

Como se negros fossem inferiores aos brancos e não pudessem relacionar-se com os mesmos, um fato totalmente falso.

Preconceito Racial no Brasil

No Brasil esse tema é meio controverso pois o Governo tende a mascarar o problema para que as pessoas não percebam que o mesmo é um dos principais fatores responsáveis pelo fato do racismo existir hoje.

O tema cai muito em redações do ENEM, onde pessoas devem escrever um texto sobre o tema onde devem explanar seus conhecimentos e dar uma solução para o problema.

E aqui existem vários imigrantes chineses e japoneses, principalmente, além dos negros, que sofrem muito preconceito e discriminação só por serem de uma etnia diferente.

No nosso caso é histórico pois a Igreja Católica catequizava todos os que não eram da mesma religião. O estado aboliu a escravidão mas não deu condições de boa educação básica aos negros. E isso ainda fica na mente das pessoas, fato que leva aos racistas acreditarem que existem alguém superior a outro, fato esse irreal.

Há o preconceito, até mesmo, entre as regiões do nosso país. Fato esse se deve devido às várias diferenças culturais entre as diferentes regiões. O Nordeste e o Norte são os que sofrem mais com esse fator pois são as regiões mais carentes.

Cotas devem ou não existir?

Se pensar historicamente, sim. Se pensar em resolver o problema do racismo, não.

Claro que o fator histórico é que fala mais alto nessa hora. Por muito tempo os negros foram explorados e, a maioria deles, ainda não conseguiu estabelecer-se como senhor de si mesmo, ou seja, ainda possuem impedimentos culturais e mentais que não lhes permitem crescer. Isso é um fator importante e que é levado em consideração no caso das cotas.

Por outro lado, isso faz com que só aumente o sentimento de ódio contra os negros por parte dos brancos. Se todos são iguais, por que os negros possuem privilégios? Se parar para pensar, os próprios defensores de cotas são, de certa forma, racistas. Pois esses acham que as pessoas não conseguem passar no vestibular ou ter uma boa nota no ENEM apenas por serem negros, ou seja, acham que negros possuem alguma deficiência educacional e que não são capazes de passar sem cotas.

Acredito que, no lugar das cotas, deveriam ser feitos investimentos na educação de base, para que, assim, as pessoas tenham condições de competir em pé de igualdade e não dar privilégios para umas em detrimentos das outras para evitar gerar conflitos com os racistas.

Qual a solução para o Racismo?

Não tem solução. Sempre pessoas serão reunidas em grupos e julgadas por isso.

A única coisa que pode-se fazer é falar a verdade:

“A menor minoria na Terra é o indivíduo. Aqueles que negam os direitos individuais não podem se dizer defensores das minorias.” – Ayn Rand

As pessoas devem ser julgadas individualmente por suas competências, e não colocadas em grupos.

Ou seja, você é negro? Não seja vitimista e corra atrás dos seus sonhos, é engano achar que o mundo á fácil para alguém. O mundo não se torna mais fácil apenas porque uma pessoa é branca. Cabe a cada pessoa, individualmente, buscar o que deseja e não buscar ideais de um grupo em si, pois é impossível satisfazer todos os desejos de uma etnia inteira.

Claro que isso não muda o fato de ainda existir Preconceito Racial, mas e aí? Você vai ficar em casa chorando e de vitimização na internet ou vai pra luta e mostrar que você é muito melhor do que o que as pessoas pensam de você?

Cabe a cada um escrever seu próprio caminho, como exemplo temos o Barack Obama, um negro que foi presidente dos Estados Unidos da América, maior potência mundial. Mostrando que quando há determinação não há nada que impeça um indivíduo de conquistar seus objetivos, pode ser negro, branco, chinês, japonês, baixo, alto, magro, gordo, todos, todos sem exceção, podem conquistar seus objetivos independente do que as outras pessoas pensem sobre o mesmo.

Violência devido ao Preconceito RacialTexto sobre Preconceito Racial Racismo Redação

Esse é o principal problema que pode existir devido a esse tipo de falha comportamental: A violência.

Pessoas não devem ser agredidas por pertencerem a uma determinada etnia. A história já nos ensinou(em casos como o holocausto e a escravidão) que isso não é uma coisa legal. Aliás, pessoas não devem ser agredidas por quaisquer motivos, mas o fato de ser só por causa da “raça” torna a agressão ainda pior.

Existem ainda hoje grupos que perseguem negros e judeus, além de outras minorias como homossexuais, e os violentam fisicamente.

Mas isso ocorre porque o estado, que deveria nos dar segurança, não funciona. Isso é um problema de segurança pública, ninguém é seguro em nosso país e alguns grupos ainda possuem agravantes.

Muitos agridem porque existe muita impunidade e sabem que não serão punidos. O que deve ser feito, nesse caso, é aumentar a eficiência da punição a quem comete um crime. Afinal a iniciação de força contra indivíduos pacíficos é antiética, mesmo que a pessoa não seja uma das minorias autoproclamadas.

Conclusão sobre o que é Preconceito Racial

Como pode-se ver no artigo, o racismo é a discriminação de pessoas apenas devido à etnia e à cultura.

Não existe solução lógica para esse problema e o governo tenta mascarar isso, tentando ludibriar e dar esperança de melhora para o povo através de ações afirmativas e outras ferramentas.

Apenas o indivíduo poderá provar que o preconceito está errado. Cabendo somente ao mesmo correr atrás disso e lutar pelos seus objetivos, como exemplo temos o ex-presidente dos EUA, Barack Obama.

A violência deve ser combatida e isso é um problema de segurança pois o estado não consegue resolvê-lo.

O ideal é cada um viver sua vida e não iniciar agressão contra indivíduos pacíficos.

Espero que o artigo sobre Preconceito Racial tenha lhe ajudado a entender o que é esse conceito. Qualquer dúvida, sugestão ou não concordância com o texto deixe-nos um comentário.